10 novembro 2018
Colaboração na TriploV
Saiu a edição de Inverno da revista TriploV com um texto meu intitulado Die Luftmensh: (http://triplov.com/revistaTriplov/die-luftmensh/) e uma série de dez ilustrações a cores inéditas e feitas de propósito para esta edição.
15:24 | 0 Comentários

05 novembro 2018
Segunda Entrada do Diário Laboratório de 15/3/2018

15/3/2018
(Segunda Entrada)
Completa-se a espera com uma astúcia: transcrever tudo o que passar pela cabeça. Talvez um dia se arrumem as ideias, os escritos, os papéis, os projectos editoriais; se dê destino e propósito a tal corpo.
15:42 | 0 Comentários

Primeira Entrada do Diário Laboratório de 15/3/2018

15/3/2018
(Primeira Entrada)
É possível compreender aqueles que viveram através da escrita. A realidade prática, com todas as suas dificuldades, repugna. A escrita, pelo contrário, é sortilégio: permanente: fuga imaginosa ou um cumprir-se ante a danação alienante de um estrepitoso século, experienciar possibilidades, impossíveis doutro modo, seduzir e até afastar maleitas porque, na literatura, se é de são vigor ou, no limite, exorcizar a morte pois, enquanto se é pleno a morte nada é.

13:12 | 0 Comentários

01 novembro 2018
Segunda Entrada do Diário Laboratório de 14/3/2018

14/3/2018
(Segunda Entrada)
No contar, a importância axial do exercício da minúcia. De outro modo, o perigo da generalização e do vago, da tese e não da história, ie, da sua circunstância num tempo; o que foi assim e não d'outra maneira qualquer. O que é mais do que a forma. É, em conjunto, indescernível com o seu conteúdo; mas que só o poderia ser naquele momento, com tais personagens, nesse espaço cénico e tudo o mais que seja relevante e que, além disso, é único.

14:26 | 0 Comentários

20 outubro 2018
Primeira Entrada do Diário Laboratório de 14/3/2018

14/3/2018
(Primeira Entrada)
Ventos atrozes os da impaciência.
Os da obsessão fragmentária.
Quisera a obra extensa e, por isso, também intensa pois, num certo sentido, amiúde puramente quantitativo, a respiração dilatada permite a exploração das intensidades intrapsíquicas, do detalhe descritivo, da modelação lenta, por exemplo, de um personagem.
A brevidade, fulguração exígua, tem evidentes limitações.

13:44 | 0 Comentários

15 outubro 2018
Entrada do Diário Laboratório de 13/3/2018

13/3/2018
A ansiedade é sempre um sentimento d’angústia - um aspecto existencial que é uma captura. Sentem-se, obsessivamente, as seguintes perguntas: «porquê eu?»,«porquê eu, nesta conjugação cósmica que fez levantar-se esta urgência?». Porque também há algo de urgência - no fazer, quando se quer restar quedo; no não fazer ainda, quando se exige a espera.
A ansiedade: suster (ou acelerar) a temporalidade específica do contexto ansiogénico, de tal modo que se suspendam as causas ou que se remetam, instantaneamente, para o passado.
Não custa entender que esse sentimento, na escrita, seja lídimo produtor do fragmento: suspende-se o texto no momento em que surja a primeira dificuldade; remetê-lo para o passado, começando logo outro escrito; por igual curto, provisório e já arcaico.

14:22 | 0 Comentários

14 outubro 2018
Entrada do Diário Laboratório de 12/3/2018

12/3/2018
(Consideração)
É algo de terrível a hora-do-lobo.
Tempo de calma e desolação.
É algo de terrível porque se contempla já – isto é, em qualquer momento da vida - a senelescência e a sua miséria, a fauce escancarada da ceifeira, tudo o que se perdeu e, ademais, parece fazer-se presente tudo o que se irá perder.
É também bela a hora-do-lobo pois é a vivência do vício da melancolia.

12:28 | 0 Comentários

13 outubro 2018
Entrada do Diário Laboratório de 11/3/2018

11/3/2018
A literatura não é quem sou mas estou todo nela.
Um modo, quiçá, de me saber em tod’esta errância. Um modo, quem o adivinha?, de entender o devir do mundo e eu nele ou de o compreender na sua faceta mais externa, como se eu nele não existisse.
Um dia, saberei quem fui.
Há um perigo, contudo. Esse é o de viver excessivamente imerso na dimensão poético-literária; e a vida não é isso. Antes pelo contrário, é, em rigor, tudo o que está fora dela.
Melhor a metáfora do espelho ou a de um eco ou, ainda, de fantasmagoria activa pois talvez convenha ao labor estético reduzir o estrépito das coisas a um murmúrio.

12:40 | 0 Comentários

Nome: João Pereira de Matos Cidade: Lisboa
Curriculum Vital
escrevinhices@gmail.com

-----
Em Colaboração

Apenasblogue
As Partes do Todo
Big Ode [big oud]
Blogue das Artes
Callema
Minguante
grandePEQUENO (site)
grandePEQUENO (blog)
Rádio Zero
Revista Piolho

-----
E-books

Histórias Sem Tom Nem Som
The Tail Spin
Rgb
Prontuário Identitário
17 Propostas

-----
Blogues do Autor

Iluminarium
Blogalquímico
Diário Informal
Desenhos em Azul
X-Acto

-----
Outros Sítios do Autor

Twitter
Facebook
Youtube
Myspace (Música Sintética)
T.V. 2.0

-----
Atom Feed

---Feed (me Seymour!)---

-----
Escritos d'Agora

Escritos d'Antanho

-----
Blogues Amigos

A Arte da Fuga
Às duas por três...
Butterflies & Fairies
Indústrias Culturais
Micro-Leituras
Pátria Língua Portuguesa
Retroprojecção
Rua da Judiaria

-----
Outros Blogues

A Barriga de um Arquitecto
Anarca Constipado
A Natureza do Mal
Azeite&Azia
Blogotinha
Blogzira (ex-Vitriolica)
Cadernos de Daath
E Deus Criou a Mulher
Miniscente
Montag: by their covers
o café dos loucos
O Século Prodigioso
Rititi
Um Fernando Pessoa

-----
Sítios Interessantes

Projecto Vercial
Ciberdúvidas
Technorati
Público
Apenas Livros
Stat Counter
Diário Digital
Ubu Web
NotCot

-----
Ficha
Todos os textos, desenhos e ilustrações são originais do autor.
Captação fotográfica de Ana dos Reis Almeida.

Creative Commons License
blogue licenciado por uma Licença Creative Commons.